Menu

Fábio Rodrigues

Arte e Caligrafia Contemplativa

Treinamento com Sensei Kaz Tanahashi

Lembro de desenhar desde bem pequeno, e tive a sorte de começar cedo a estudar com o grande professor Norberto Niehbur. Além do aprimoramento estético e técnico, o desenho demanda um grande silêncio, solitude, atenção e energia continuadas, observação, paciência, repetição, disciplina… Isso tudo permeado pelo convívio de uma década com a presença compassiva e hábil do professor Niebuhr produziu um dos aprendizados mais marcantes na minha vida.

Após um período trabalhando em linhas de produção e como eletricista, me empreguei aos 19 anos como desenhista em uma fábrica de roupas. Seguiu-se uma década de escalada profissional na área de moda e design, tempo em que desenhei submetido à mentalidade da indústria — briefings, prazos, concorrência, foco em atrair e vender do jeito mais eficiente e lucrativo possível. Ao fim desse tempo, havia esquecido qual sentido um dia eu vi nas artes visuais. Pedi a conta e fui procurar outras coisas para fazer.

Ao longo dos anos, aos pouquinhos, a alegria com a prática artística começou a voltar. Desde então, tenho procurado modos de explorar a arte além da cultura de entretenimento e comércio, e com um interesse além do meramente técnico e estético — será possível aplicar a arte como um meio hábil para cultivar a mente, uma energia e uma atitude mais equilibrada na vida, servir como um apoio no processo amplo de florescimento humano, pra valer? Focar essa abordagem me motiva muito.

Por isso, há alguns anos, comecei a acompanhar atentamente o trabalho do Sensei Kazuaki Tanahashi, artista e contemplativo com uma trajetória incrível — erudito e professor do Zen, mestre artista e caligrafista, autor e tradutor de textos budistas do japonês medieval, chinês e sânscrito para o inglês (especialmente o Sutra do Coração e textos do Mestre Dogen); no Japão, foi aluno direto do O-Sensei Morihei Ueshiba, fundador do Aikido; atua desde a década de 60 como ambientalista e pacifista, sendo fundador e diretor da iniciativa A World Without Armies para a desmilitarização das nações.

 

Em 2015, com o apoio da querida Ven. Tenzin Chohkyi, tentei fazer contato com Kaz Sensei. Preparamos uma carta contando de coração sobre a minha conexão com o Darma, do trajeto com a arte e de como aspirava reavivar e dotar de sentido a prática artística, e expressando a vontade de aprender com ele, se isso fosse de alguma forma possível. A resposta veio em alguns meses. Simples, direto e incrivelmente generoso, disse que se sentiu tocado pela carta e fez dois convites: para participar de um retiro intensivo de uma semana de caligrafia e Zazen, e para passar mais quatro semanas como aprendiz em sua casa, treinando diariamente em seu estúdio.

Março de 2016

Imediatamente fui apoiado por dezenas de pessoas maravilhosas que se alegraram com esse movimento, e em dois meses estava na Califórnia para percorrer cinco semanas de um aprendizado bem desafiador. Ao final desse período, Kaz Sensei ofereceu autorização para ensinar e conduzir grupos de caligrafia contemplativa, para produzir pinturas e continuar praticando. E também convidou para voltar nos anos seguintes e seguir aprofundando o treinamento. Em 2017 passei novamente o mês de março com ele, e agora me preparo para 2018.

Março de 2017

Apoio para a viagem em 2018

“O funcionamento do mundo se dá por méritos. Podemos ver o funcionamento econômico, mas isto é uma pequena parte do todo. Geração de méritos significa o quê? Que estamos fazendo alguma coisa positiva e aquilo está melhorando a vida dos seres em alguma direção. Se fizermos o contrário, pode perdurar por um tempo, mas tem uma hora em que afunda.” —Lama Padma Samten

Há 10 anos o meu trabalho diário é ajudar as pessoas a cultivar o mundo interno e um florescimento humano mais genuíno, no lugar, no CEBB e como artista visual. Cada vez mais procuro que meu trabalho não tenha vínculos com marcas e grandes empresas, que meu movimento seja possível apenas na medida que as pessoas se alegrarem e reconhecerem algum valor e potencial para benefícios reais. Esta é também uma experiência de patronagem no mundo atual: antigamente as famílias abastadas simplesmente sustentavam alguns artistas, meditantes, cientistas ou filósofos pela vida toda — hoje podemos apoiar uns aos outros diretamente com pequenas quantias, sustentar os trabalhos que achamos importantes e exercer liberdade humana em meio à cultura das corporações.

Treinar e se sustentar como um artista independente que não produz entretenimento é muito desafiador. Como artista contemplativo, estou em processo de treinamento como aluno direto do Sensei Kazuaki Tanahashi, que me ofereceu a possibilidade de estudar e trabalhar como seu aprendiz por um mês a cada ano nos Estados Unidos. Pude ir nos últimos 2 anos e aspiro aprofundar o aprendizado e compartilhá-lo pelo tempo que for possível.

Nas minhas condições, é bem custoso viabilizar esse treinamento. Além do trabalho cotidiano e da família, há os custos de passagens, vistos, traslados, alimentação, seguro de saúde, taxas diversas, livros, tintas, telas, papéis… Felizmente não sou capaz de fazê-lo por conta própria, por isso lhe estendo a tigela com gratidão, caso você deseje apoiar com qualquer valor. Esse apoio servirá para dar seguimento ao treinamento, aos trabalhos que faço e também para aprofundar na prática.

Se você deseja apoiar com continuidade oferecendo qualquer valor, veja aqui →

Se você deseja apoiar adquirindo uma pintura, veja aqui →

Se você ver deseja apoiar pontualmente:

BANCO NEON
Favorecido: Fabio Rodrigues
Agência: 0001
Conta: 237766-7
Número do banco: 735
CPF: 006030389-13

Se você deseja mais informações, apoiar de outra forma ou conversar, meu contato é iodris@gmail.com

Agradecimento

Agradeço com todo o coração ao Sensei Kazuaki Tanahashi pela abertura, confiança e generosidade, ao Lama Padma Samten pelas bênçãos e incentivo, à Ven. Tenzin Chogkyi por auxiliar de forma crucial em cada pequeno passo desde o início.

Agradeço às pessoas que ajudaram diretamente e que tornaram tudo possível de 2016 até aqui: Marcos Bauch, Rafael Longo, Inez Campos, Augusto Zangrandi, Donna Bassin, Júlia Campos, Luiz Henrique Martins, Emily Zaroni, Eduardo Amuri, Guilherme Valadares, Tarcisio de Arantes Leite, Gustavo Gitti, Gabriel Wan-dick Corbi, Marilene Mamprin, Geovana Colzani, Caroline Bertolino, Laura Bassi, Remi Lopes Antônio, Henrique Menarin, Luiz Ricardo Berezowski, Thyago Kiam, Graciela Coelho do Espírito Santo, Lucas Pedrucci, Gustavo de Santana, Sared Bueri, Rosana Rita Folz, Alfredo Penz, Leonardo Werneck, Celso Santos, Daniel Collares, Leonardo Collares, Cristiano Ramalho, Paulo Carvalho, Miles Babireski, Filippe Ximenes, Marcela Fazio, Polliana Zocche, Theo Sasse, Dalmo Kawauchi, Daniel Scola e Gislene Macêdo. Recebi também oferecimentos vindos da “Intelliclick Informatica” e duas transferências bancárias sem identificação. Se foi você, por favor, me escreva, gostaria muito de poder agradecê-lo.

Que esse movimento possa ser útil, que produza benefícios verdadeiros e que os méritos se espalhem!

Um abraço grande em cada um!

RECEBA A NEWSLETTER “ARTE CONTEMPLATIVA”

É possível aplicar a arte como um meio hábil para cultivar a mente, uma energia e atitude mais equilibrada na vida, para apoiar o processo amplo de florescimento humano? Um email por mês com uma sugestão legal (de música, pintura, vídeo, literatura, artistas…) e as novidades relevantes ↓

 

* indicates required